O Serviço Social é política pública, e o Assistente Social seu efetivador!

É uma profissão de caráter sócio-político, crítico e interventivo, que se utiliza de instrumental científico multidisciplinar das Ciências Humanas e Sociais para análise e intervenção nas diversas refrações da “questão social”, isto é, no conjunto de desigualdades que se originam do antagonismo entre a socialização da produção e a apropriação privada dos frutos do trabalho .Inserido nas mais diversas áreas (saúde, habitação, lazer, assistência, justiça, previdência, educação, etc) com papel de planejar, gerenciar, administrar, executar e assessorar políticas, programas e serviços sociais.



O Assistente Social efetiva sua intervenção nas relações entre os homens no cotidiano da vida social, por meio de uma ação global de cunho sócio-educativo ou socializadora e de prestação de serviços.Está capacitado, sob o ponto de vista teórico, político e técnico, a investigar, formular, gerir, executar, avaliar, e monitorar políticas sociais, programas e projetos nas áreas de saúde, educação, assistência e previdência social, empresas, habitação, etc. Realiza consultorias, assessorias, capacitação, treinamento e gerenciamento de recursos; favorece o acesso da população usuária aos direitos sociais; e trabalha em instituições públicas, privadas, em organizações não governamentais e junto aos movimentos populares.



sexta-feira, 24 de maio de 2013

Para além do senso comum - Dica para leitura!

Desconstruindo o senso comum em favor da verdade desde 2010.


Por estes dias recebemos aqui no Blog a visita de Caio Oleskovicz que também é blogueiro, e luta por uma sociedade mais justa e igualitária.

Aceitando o convite do Caio naveguei pelos mares até então desconhecidos de seu blog ...E não é que de desconhecido ele não tem nada!!! Pois, ali aborda-se temas que visam desconstruir o senso comum e levantar crítica bem óbvias.

CRÍTICAS ÓBVIAS: visita e leitura mais que recomendadas:

Abraço fraterno,

Josiane G.

quinta-feira, 21 de março de 2013

Ética em movimento em Serviço Social

Oferecer subsídios para a apreensão crítica da natureza histórica e política da ética social e profissional; contribuir para a incorporação consciente e crítica dos fundamentos, valores e princípios do Código de Ética Profissional; consolidar o projeto ético-político das/os assistentes sociais e ampliar o debate ético, compreendendo-o no âmbito da atividade profissional, política e social e dos direitos humanos. Esses são alguns dos objetivos do projeto “Ética em Movimento”, lançado em 2000 pelo CFESS, como uma contribuição ao debate que se adensou no Serviço Social e na sociedade, a partir dos anos 1990, sobre Ética e Direitos Humanos.

Para comemorar os 10 anos de existência do projeto, a Gestão Atitude Crítica Para Avançar na Luta (2008-2011) apresenta este vídeo. Venha, por meio de entrevistas, depoimentos e fotos, conhecer a história do movimento da Ética no Serviço Social.

Para assistí-lo acesse o link abaixo:
http://vimeo.com/17816495

Abraço franterno,

Josiane G.

21 de março - DIA INTERNACIONAL CONTRA A DISCRIMINAÇÃO RACIAL


Hoje comemora-se o Dia Internacional contra a Discriminação Racial, em referência ao Massacre de Sharpeville, instituída pela ONU.

Em 21 de março de 1960, em Joanesburgo, na África do Sul, 20.000 pessoas faziam um protesto contra a Lei do Passe, que obrigava a população negra a portar um cartão que continha os locais onde era permitida sua circulação. Porém, mesmo tratando-se de uma manifestação pacífica, a polícia do regime de apartheid abriu fogo sobre a multidão desarmada provocando 69 mortos e 186 feridos.

No Brasil:
A legislação brasileira instituiu os primeiros conceitos de racismo em 1951 com a Lei Afonso Arinos (1.390/1951) que classificava a prática como contravenção penal. Somente a Constituição Federal de 1988, em seu artigo 5.º, XLII, é que classificou a prática do racismo como crime inafiançável e imprescritível, sujeitando o delinquente à pena de reclusão.

Fonte: CNJ – CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA
http://www.cnj.jus.br/

Abraço fraterno,

Josiane G.

Nada é mais DEFICIENTE que o SEU PRECONCEITO, e nada é mais EFICIENTE que o SEU AMOR!


sexta-feira, 8 de março de 2013

JÁ VIROU CLICHÈ...


Hoje celebramos o Dia Internacional das mulheres, mas, pelo que observei nas redes sociais  ele tem uma conotação diferente, mais puxada para o sentimento de amor, que também merece atenção. Mas este dia é muito mais que um "EU TE AMO!" ou "PARABÉNS!".  É RESPEITO, é ESPAÇO, é IGUALDADE, é SOCIABILIDADE, é INCLUSÂO é A GARANTIA DE UM DIA EFETIVARMOS A CONQUISTAS DOS NOSSOS DIREITOS FUNDAMENTAIS.

O Dia Internacional da Mulher, celebrado em 8 de março, tem como origem as manifestações no contexto das lutas de mulheres por melhores condições de vida e trabalho, bem como pelo direito de voto. Atualmente, a celebração do Dia Internacional da Mulher perdeu parcialmente o seu sentido original, adquirindo um caráter festivo e comercial.

Em dezembro de 1977, o Dia Internacional da Mulher foi adotado pelas Nações Unidas, para lembrar as conquistas sociais, políticas e economicas das mulheres. Na maioria dos países, realizam-se conferências, debates e reuniões cujo objetivo é discutir o papel da mulher na sociedade atual. O esforço é para tentar diminuir e, quem sabe um dia terminar, com o preconceito e a desvalorização da mulher. Mesmo com todos os avanços, ainda sofremos, em muitos locais, com salários baixos, violência masculina, jornada excessiva de trabalho e desvantagens na carreira profissional. Muito foi conquistado, mas muito ainda há para ser modificado nesta história.

Agradeço sinceramente aos homens que nos felicitam, mas o que precisamos e queremos é tornarmo-nos capazes de assumir a responsabilidade da nossa própria VIDA em todos os contextos sociais - emancipar-se do que nos impede de avançar como Mulhreres de Valor, Dignidade e Respeito e tudo isso pode ficar mais facíl e real com a conscientização coletiva de vocês HOMENS.

Abraço fraterno,

Josiane G.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Curso de Perinatalidade

Ampliando o olhar sobre a gestação na atualidade - uma compreensão multidisciplinar do nascimento de um bebê

A Habitare - Centro de Atendimento, Estudos e Pesquisa em Psicanálise - é uma Organização não Governamental que há dez anos realiza atendimentos psicológicos a gestantes em situação de risco em instituições sociais, onde desenvolve projetos visando a prevenção em saúde mental materno-infantil. Ao longo desses anos, acumulamos grande experiência no atendimento a gestantes e conhecemos excelentes profissionais da área médica, da enfermagem e da psicanálise que se dedicam ao trabalho e à pesquisa das questões relevantes sobre a gestação, as perdas gestacionais e os lutos, os vínculos iniciais e os processos de subjetivação do bebê, a amamentação, as intercorrências e possíveis patologias no pós-parto, bem como os distúrbios funcionais do bebê, que muitas vezes constituem sinais de risco ou alerta para transtornos graves do desenvolvimento. 

Objetivos:

Ø  Apresentar uma visão multidisciplinar e atualizada acerca da gestação e do puerpério, privilegiando a compreensão do desenvolvimento bio-psico-social do bebê;
Ø  Compartilhar com profissionais de áreas envolvidas conhecimentos importantes tanto dos aspectos físicos quanto psíquicos dos tratamentos de reprodução assistida, gestação e puerpério;
Ø  Oferecer modelos de intervenção e detecção de sinais de risco para o desenvolvimento do bebê.

PÚBLICO ALVO: Psicólogos, enfermeiros, educadores físicos, fisioterapeutas, obstetras, pediatras, radiologistas, assistentes sociais, fonoaudiólogos, educadores ou estudantes desta áreas.

CARGA HORÁRIA: 30 horas

CRONOGRAMA:
Modulo I     09/03/2013
Módulo II    23/03/2013
Módulo III   06/04/2013
Módulo IV   20/04/2013
Módulo V    11/05/2013

HORÁRIO: Das 09h30min às 17h30min, aos Sábados

VAGAS: 20.
LOCAL: THE HUB  Rua Bela Cintra, № 409, Consolação  São Paulo.

INSCRIÇÕES: até 28/02/2013
Enviar um mini curriculo: onghabitare@hotmail.com

Maiores Informações: 99604-1322 Ana Luiza
  
Centro de Atendimento, Estudo e Pesquisa em Psicanálise e Psicossomática Habitare


Abraços fraterno,

Josiane G. 




Inscrições abertas para o Seminário Internacional “Governança e Solidariedade global: o lugar da sociedade civil”

 Na próxima segunda-feira, 25/2, terá início o Seminário Internacional Governança e Solidariedade Global: o lugar da Sociedade Civil, que pretende debater os espaços de governança da sociedade civil em âmbito internacional. A proposta é avaliar a experiência das organizações da sociedade civil e movimentos sociais do Brasil em espaços internacionais, tendo em vista sua legitimidade e efetividade. A Abong dará início às atividades às 19h, com a presença de Sérgio Haddad, do Grupo de Apoio ao Processo do Fórum Social Mundial – GRAP.  O evento acontece em São Paulo, SP, na Rua General Jardim, 660.

Contexto
A realização de grandes encontros internacionais da sociedade civil tem mobilizado inúmeras organizações da sociedade civil e movimentos sociais. Um exemplo foi a Cúpula dos Povos por Justiça Social e Ambiental, realizada em 2012, que reuniu mais de vinte mil participantes de organizações e movimentos de defesa de direitos e atraiu um público de 300 mil pessoas durante nove dias. O Fórum Social Mundial, cuja próxima edição será na Tunísia, em março, é outro exemplo de encontro internacional da sociedade civil que tem marcado a agenda internacional na última década.

No entanto, apesar da intensa participação em eventos dessa natureza, seus impactos nem sempre são visíveis: em espaços oficiais, a sociedade civil é muitas vezes consultada, mas nem sempre vê o resultado dessas consultas expressos nas negociações oficiais. Os espaços autônomos, organizados e geridos pela sociedade civil nem sempre resultam em diálogo efetivo com setores governamentais e incidência nas políticas. Nesse sentido, o seminário terá por objetivo debater em que medida as organizações da sociedade civil e movimentos sociais influenciam na agenda de desenvolvimento internacional; quais os espaços de participação mais promissores e resultados identificáveis; quais estratégias têm maior efetividade e qual o limite do advocacy junto aos governos, dentre outras questões.

 Fonte e informações: www.abong.org.br


Abraço fraterno,

Josiane G.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

"UMA VIDA SOROPOSITIVA"


Na noite de ontem 18/12/2012 - na livraria Paraler Megastore – em Ribeirão Preto – ocorreu o lançamento do livro “Uma vida soropositiva”, de Rafael Bolacha. Trata-se de um livro de fácil compreensão e de um tema extremamente polêmico parte de um complexo processo de aceitação social e interpessoal: SER SOROPOSITIVO, e nasceu do blog: http://www.umavidapositiva.com.br/ no qual vale a pena ser lido.

Como agentes transformadores da realidade social na qual os indivíduos estão inseridos é de suma importância buscarmos conhecimento através do estudo científico, bem como através de relatos de experiência de pessoas que vivenciam ou vivenciaram situações como esta. Isso amplia o nosso olhar e exercitamos um sentimento chamado empatia, que segundo o dicionário Primeram significa: forma de identificação intelectual ou afetiva de um sujeito com uma pessoa, uma ideia ou uma coisa.


Uma Vida Positiva
Em dezembro de 2012 completam-se três anos que Rafael Lopes, 28, descobriu que era soropositivo. Paulista de Ribeirão Preto, ele havia chegado ao Rio de Janeiro um ano antes, após passar uma temporada na capital paulista, para investir na carreira de ator. Mas o resultado daqueles exames acabou mudando por um tempo os planos do rapaz.

Um mês depois de receber a notícia, e ainda aprendendo a conviver com a nova realidade, ele decidiu criar um blog onde pudesse compartilhar os anseios, a rotina e as expectativas de um jovem portador do vírus HIV. Algumas centenas de posts depois, o blog Uma Vida Positiva, escrito com o pseudônimo Luan F., acaba de virar livro, e será lançado pela Editora Cidade Viva no dia 30 de novembro, véspera do Dia Mundial de Combate à Aids. Neste novo formato, ele assume a identidade: assina como Rafael Bolacha, apelido de infância.

Segundo o autor, a repercussão do blog entre leitores soropositivos e os familiares de pessoas com Aids foi o que deu força para ele seguir adiante expondo sensações e experiências tão particulares. “Percebi que os leitores do blog se identificavam com as situações e se sentiam confortados. Me emocionei especialmente com o comentário de uma moça, filha de uma soropositiva, que me agradeceu e disse entender melhor o que a mãe devia sentir”, conta Rafael.

Prestes a se graduar em Produção Cultural, Rafael tem planos para adaptar o blog em outras plataformas. O projeto inicial seria transformá-lo em peça de teatro. Essa foi a base da monografia defendida por ele e cuja orientadora, Francis Miszputen, viria a ser a diretora de projetos da Editora Cidade Viva. Surgia aí a ideia do livro, que será o primeiro projeto a virar realidade, embora a peça também já tenha sido enquadrada na Lei Rouanet. Os outros projetos para adaptação do blog são: um espetáculo de dança – Rafael é também dançarino, um documentário e um filme de ficção.   

“Uma Vida Positiva" também está disponível para vendas no site: http://www.editoracidadeviva.com.br , no valor R$34,90.

Eu não presenciei o lançamento do livro, mas tive a oportunidade de dialogar um pouco com o Rafael online, e ele já demonstrou que é um dos nossos, pois ESTÁ AQUI Para FAZER A DIFERENÇA!!!

O livro contém 134 páginas...uma ótima leitura para as férias.

Abraço fraterno,

Josiane G.





quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR - EDUCAÇÃO E SERVIÇO SOCIAL

"EDUCAÇÃO: uma construção em equipe"

Trabalho ilustrativo e informativo, cujo objetivo é estimular e orientar a busca por novas técnicas e métodos que auxiliem a elaboração de um Plano Interdisciplinar na área educacional proporcionando assim um ambiente mais justo e humanístico para o aprendizado dos alunos.



Público alvo: Pedagogos, Assistentes Sociais, Psicólogos, Psiquiatras, Conselheiros Tutelares, Estudantes e Pais.



Desenvolvido por alunas do Curso de Serviço Social, Coordenação Pedagógica, Profª Me. Ariana S. Rossi Martins e Equipe Mídia Digital da Universidade UniSEb Interativo -- Pólo Ribeirão Preto.


Caso 1: Um bom exemplo


Ø     Criança de seis anos, muito agitada na escola, começa a dar problemas na sala de aula junto dos colegas. O pedagogo percebe tal comportamento e encaminha o caso para a Coordenação Pedagógica. Em equipe interdisciplinar (Pedagogo, Psicólogo e Assistente Social), discutem o caso e primeiramente chamam a família para conversar. Obtendo o consentimento da família, a criança foi avaliada por um psiquiatra e diagnosticada com imperatividade. Passou então a ser acompanhada pelo Psiquiatra e o Psicólogo da equipe.
Ø  Como forma de apoiar, o Psicólogo fez uma reunião com os pais, o Pedagogo e o Assistente Social sobre o que é imperatividade, os orientando como lidar com esta criança. Cria-se neste momento um Plano de trabalho.
Ø  Na rotina escolar e familiar todos tentam por em prática o Plano de trabalho:
- Pais;
- Pedagogo;
- Psicólogo;
- Assistente Social.
Ø  A Coordenação Pedagógica da escola esclarece sobre o assunto a todos os seus colaboradores evitando assim que a criança se sinta constrangida mediante a necessidade de tratamento.



Caso 2: Com complicador


Ø  Criança de seis anos muito agitada-agressiva na escola, começa a dar problemas na sala de aula  junto dos colegas. O pedagogo NÃO percebe. Acha que a criança não tem educação porque a mãe é alcoólatra e o pai é ausente porque está preso.
Ø  A avó percebendo o baixo desempenho escolar da criança resolve conversar com a Coordenação Pedagógica. A Coordenadora chama a Pedagoga, a qual dá o depoimento preconceituoso sobre a criança. A Coordenadora. Pedagógica concorda com a Pedagoga, mas diante da avó acaba resolvendo fazer uma reunião com a Assistente Social e a Psicóloga. As profissionais convencem a Coordenadora que há necessidade de encaminhamento para psiquiatra a fim de ser avaliada.
Ø  A mãe é chamada para uma reunião ( e não a avó, pois está não possui a Guarda), onde é explicada a situação da criança na escola e a necessidade de uma avaliação médica. A mãe não aceita e diz que “seu filho não é louco” e vai embora.
Ø  A Assistente Social encaminha ao Conselho Tutelar relatando o caso e enfatizando sobre a necessidade de avaliação médica.
Ø  A mãe é chamada pelo Conselho Tutelar e acaba cedendo a guarda para a avó e aceita p tratamento.
Ø  A criança então passa pelo Psiquiatra e não é diagnosticado imperatividade.
Ø  Como forma de apoiar, o Psicólogo faz uma reunião com a Avó, o Pedagogo e a Assistente Social os orientando como lidar com esta criança. Cria-se neste momento um Plano de trabalho.
Ø  Na rotina escolar e familiar todos tentam por em prática o Plano de trabalho:
- Pais;
- Pedagogo;
- Psicólogo;
                       - Assistente Social.


Para os interessados no assunto, aqui no blog temos uma matéria que trata apenas do tema TRABALHO INTERDISCIPLINAR. E quem achar este material interessante pode utilizá-lo em reuniões interdisciplinares.


Abraço fraterno,

Josiane G.

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Dia 20 de novembro - DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA


UM CONVITE A REFLEXÃO
Em 2011/2012 fui convidada por uma amiga da Turma de  Audiovisual para desenvolvermos um projeto sobre o Dia da Consciência Negra. 
Assim como muitos criticam e discriminam a data - confesso que eu como afro-brasileira  também não me sentia a vontade com isto. Até que na faculdade encontrei uma excelente professora de História (Karen Bortolote) que mudou completamente meus conceitos sobre tal data.
Então aceitei o convite e iniciei uma vasta pesquisa sobre o tema, que me fez compreender que o Dia da Consciência Negra, é um Dia que nos remete a nossa formação histórica enquanto povo-nação, assim como temos as festividades italianas e nipônicas. É um dia de reflexão sobre o ranço histórico que trazemos por falta de conhecimento, e isso é responsabilidade da Escola (Estado).
Introdução...
A reflexão sobre a nossa formação nos remete às nossas origens, à história que como brasileiros, fomos construindo. Fala-se em todo o país uma mesma língua, um mesmo idioma, diferenciado apenas por sotaques e gírias regionais. 

Mais do que uma junção de etnias formando uma etnia única, a brasileira, o Brasil é um povo nação, ajustado em um território próprio para nele viver seu destino. 

Ao longo da costa brasileira se encontraram duas visões de mundo completamente opostas: a "selvageria" e a "civilização". Concepções diferentes de mundo, da vida, da morte, do amor, se chocaram. Começa a "gestação do Brasil" e dos brasileiros como um povo. União ocorrida entre europeus, índios e negros, matrizes étnicas do brasileiro. Um povo novo que, se enfrentam e se fundem.

Objetivo:
Este vídeo surgiu devido à necessidade que sentimos de uma nova reconceituação do que vem a ser o povo brasileiro, bem como provocar maior reflexão na sociedade, fazendo com que esta descubra com prazer sua origem: essa mestiçagem que fez nascer um novo gênero humano. 
Nova gente, mestiça na carne e no espírito. Um gênero humano, melhor, porque racialmente lavada em sangue índio e em sangue negro. Esta nossa singularidade inspirada na propensão indígena para o convívio cordial e para a reciprocidade e a alegria saudável do negro extremamente alternativo.



Texto - baseado na leitura de escritores renomados da literatura brasileira, historiadores e sociólogos inerentes a temática.

→Este projeto foi idealizado por Josiane Gomes, produzido por Letícia de Oliveira e Editado por Eder Sant'Anna.

Abraços fraterno,

Josiane G.



O caminho em direção à igualdade!


Irmãs Gêmeas


RESUMO

O caminho em direção à igualdade




A história da humanidade tem sido a história da dominação que uns impõem aos outros.
Ao lado das imensas conquistas do homem contemporâneo, as desigualdades entre ricos e pobres têm aumentado de forma assustadora. Alguns de nossos problemas fundamentais que ajudam a perpetuar as desigualdades entre nós são: o preconceito contra o negro e o mestiço – ligados diretamente ao passado, no qual os africanos eram considerados seres inferiores.

Com o fim da escravidão, elites brasileiras buscaram eliminar nossos laços com as culturas africanas e os sinais da presença dos afro-descendentes entre nós com o branqueamento da população, o que não ocorreu. A miscigenação tornou a elite mais morena, e a maioria dos negros e mestiços foi mantida nos segmentos mais desfavorecidos da população pela precariedade das oportunidades oferecidas para sua educação e aprimoramento profissional, como também pela preferência de pessoas de pele mais clara para ocupar os melhores cargos no mercado de trabalho.

A partir dos anos 1960 as mudanças na maneira de ver o mundo, as sociedades e as pessoas, que não eram mais hierarquizadas a partir de suas características biológicas, fortaleceram um movimento de afirmação da negritude e de valorização das coisas africanas, da qual participaram países que no passado estiveram envolvidos com a escravidão e o tráfico de escravos – razão do transporte de mais de 10 milhões de pessoas da África para as Américas.

Os afro-brasileiros passaram, pouco a pouco, a valorizar os seus traços distintivos, suas culturas ancestrais, sua contribuição à formação da sociedade brasileira, mudando sua posição de uma vontade de se tornar igual ao branco para uma valorização de suas tradições, estéticas, sensibilidades e aparências. O sentimento de inferioridade criado pela situação anterior deu lugar ao orgulho de ser negro, um dos pilares da construção de um novo lugar do afro-brasileiro no conjunto da sociedade. Isso, porém não é suficiente. Preconceitos profundamente arraigados não são derrubados só com doses de boa vontade - são fundamentais as alterações na legislação que ordena a sociedade e as relações entre os homens.

Em 1990 as discussões relativas à reserva de vagas nas empresas e universidades para afro-descendentes começaram a virar realidade na forma de leis.As ações afirmativas (reservas de vagas nas empresas e universidade) têm vários problemas sendo um dos principais o estabelecimento de critérios de quem estará apto a pleiteá-los numa sociedade basicamente mestiça. Esses estudantes não conseguem competir em pé de igualdade pelas vagas nas universidades públicas com aqueles formandos em escolas particulares e as garantias de acesso a posições às quais os afro-descendentes estiveram sistematicamente excluídos é um começo na conquista de condições mais igualitárias para o desenvolvimento de todas as pessoas, independentemente das origens étnicas ou sociais.

Ao mudarmos a maneira como nos aproximamos e percebemos tais temas teremos mais orgulho do que somos: um povo mestiço, no qual a convivência dos diferentes criou a originalidade que nos caracteriza.

Abraço fraterno,

Josiane G.

SOUZA, Marina de Mello e. “O fim da escravidão e do contato com a África”. In: África e Brasil africano. 2ed. São Paulo: Ática, 2007, p. 140-145.

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Fique ligado(a)!!!


COMUNICADO

"VI SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE DELINQUÊNCIA JUVENIL" será realizado no dia 10 de dezembro de 2012 - 2ªF - no Centro de Convenções de Ribeirão Preto, à Rua Bernardino de Campos, 999 - Centro 
Ribeirão Preto/SP

Em breve serão encaminhadas a Programação e a Ficha de Inscrição via e-mail.
vereventos@ig.com.br

Informações:
Vera Lucia - Fone (16) 3610-5109
Edileuza - Fone (16) 3622-4830

Organização Comunitária Santo Antonio Maria de Claret

*** Caso queiram mais detalhes sobre este Seminário e os anteriores - acessem a página no Facebook através do link abaixo:


Abraço Fraterno,

Josiane G.

Dia 6 de outubro: Dia Nacional do Riso



Com certeza você já ouviu dizer que rir é o melhor remédio. E isto não é apenas teoria. A Terapia do Riso vem sendo utilizada como método terapêutico para o tratamento de depressão, melancolia, mau-humor (distimia), estresse e diversas outras doenças. Está comprovado que o riso auxilia na recuperação e na cura dos pacientes, reduzindo o tempo de tratamento e de internação em até 20%. Ou seja, o riso agora é considerado terapia, comprovada por estudos médicos e com resultados surpreendentes.

Na verdade, nem tão nova assim. A risoterapia como método terapêutico existe desde a década de 60. Quem assistiu ao filme Patch Adams conhece bem a história. O americano Hunter Adams, conhecido como Patch Adams já implantava o método em hospitais e escolas desde a sua época de estudante. Era comum vê-lo atender seus pacientes com nariz vermelho ou peruca de palhaço.





Partidário à eficiência do método é o médico clínico geral e homeopata Eduardo Lambert, especializado em terapias sistêmicas e autor do livro Terapia do Riso - A Cura pela Alegria, da Editora Pensamento. Ele considera o riso como uma terapia complementar que auxilia na melhoria do estado emocional e orgânico das pessoas, em pacientes dos mais diferentes tipos de enfermidades. "As pessoas já sabem deste fato, tanto é que até dizem: fulana ou fulano já está melhorando, pois já está até rindo", comenta o especialista.


"Mesmo o simples esboçar de um sorriso ou uma gargalhada, estimulam o cérebro a produzir endorfinas, mais precisamente as betas endorfinas, substâncias químicas com alto poder analgésico, que proporcionam uma enorme sensação de bem-estar." Além disso, as endorfinas estimulam o sistema imunológico contra reações alérgicas, bactérias e vírus; protegem o aparelho circulatório contra enfartes e derrames; ajudam a melhorar a pressão arterial, ampliam a capacidade respiratória e promovem uma ação antienvelhecimento.

"O simples esboçar de um sorriso, o riso ou uma gargalhada bem gostosa - e quanto mais intensa melhor - cria uma onda vibratória que propicia de imediato um relaxamento corporal que se estende para todo o corpo, dando uma sensação de bem-estar físico, mental e emocional. Protege ajudando a nos prevenir de várias enfermidades".

O médico avisa que quanto mais intenso, melhor. Mas que um simples sorriso, uma graça, situações cômicas, bons pensamentos, bons sentimentos, boas lembranças, pensamentos positivos, palavras de apoio e incentivo já são fatores importantes à síntese das endorfinas. "É bom lembrar que sorrir nas adversidades é privilégio dos fortes.

Doutores da Alegria
Iniciativa pioneira no país, o Programa Doutores da Alegria, é realizado há 19 anos, e está presente em São Paulo, Rio de Janeiro e Recife. É a primeira instituição criada no país para levar solidariedade, humor, carinho, e o lirismo da arte do palhaço para crianças e adolescentes que estão internados em hospitais e a única organização do gênero no mundo a contar com um Centro de Pesquisa e Desenvolvimento próprio, responsável por pesquisar e difundir o conhecimento adquirido. 
São artistas, que durante anos, vêm alterando a ordem padrão das relações sociais, desmontando, sem qualquer agressividade, hierarquias pré- estabelecidas, fazendo rir e levando a pensar.

Graças a essa capacidade de, através do raciocínio lateral, olhar as situações por um outro prisma, eles conferem nova dimensão a momentos difíceis mas inerentes à vida. 
Dr. Dud Grud (Eduardo Filho) e Drª. Greyce Braga
Foto: Blog dos Doutores da Alegria
Não há nenhuma pieguice na proposta.  O  que se vê é um engajamento de corpo e alma de  37  pessoas   dispostas a levar sorrisos  e  felicidade  a pequenos, muitas  vezes  em terrível estado terminal. 








“O hospital é uma metáfora para a vida, lá estão todas as emoções que também fazem parte do mundo externo, porém colocadas sob uma lente de aumento. E por isso que, quando o palhaço chega a esse ambiente e causa uma modificação, fica claro que é capaz de gerar transformações também em vários outros locais”, afirma Mara Mourão, diretora do filme Doutores da alegria, que foi o trabalho vencedor do 3º Festival de Cinema Brasileiro de Nova York e o grande vencedor do Festival de Gramado em 2005.

Lembramos que cada vez mais se vai chegando à conclusão, também em termos empresariais, que o riso alivia o tão famoso stress, provoca um melhor relacionamento entre as pessoas e, com este estado de espírito, bem-humorado e leve, os funcionários de qualquer empresa funcionam melhor. Principalmente no caso dos trabalhadores da área da saúde que se vêem envolvidos com as mazelas do cotidiano. 

Um Brasil sorridente
O povo brasileiro sempre levou a fama de ser muito bem-humorado, talvez por isso vários artistas da música se deram bem, pelo menos por um tempo, apostando no humor como a tônica de seu trabalho. Claro que muita gente torce o nariz para as bandas que investem essa abordagem, mas, apesar desse preconceito, grandes músicos mostraram que é possível conciliar humor com talento artístico.

Fonte: Navegando e aprendendo com a enfermagem
http://naenfermagem.blogspot.com.br/2010/11/6nov-dia-nacional-do-riso.html


Fato é que não há no mundo nada como uma bela risada!
Sorrisos 1.000 pra vocês...

Josiane G.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Convite: ENCONTRO

SERVIÇOS DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL E FAMILIAR

E O PAPEL DO SISTEMA DE JUSTIÇA

e também o Lançamento da Coleção ABRIGOS EM MOVIMENTO


Realizada pelo INSTITUTO FAZENDO HISTORIA e pelo NECA - Núcleo de Estudos sobre a Criança e o Adolescente, com o apoio da SDH - Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.

DIA: 30/05/2011 (segunda –feira)
HORÁRIO: 14horas
LOCAL: Anfiteatro das Faculdades COC
RUA: Abrahão Issa Halack, 980, Ribeirânia
Ribeirão Preto – SP
Entrada franca


Realização:
Vara da Infância, da Juventude e do Idoso do Fórum de Ribeirão Preto.
CINDEDI - Centro de Investigação sobre o Desenvolvimento Humano e Educação Infantil.
USP - Ribeirão Preto

PROGRAMA

Abertura - 14h00
Dr. Paulo César Gentile - Juiz de Direito da Vara da Infância, da Juventude e do Idoso do Fórum de Ribeirão Preto.

Palestrantes:

O papel do Sistema de Justiça no reordenamento dos serviços de acolhimento
Dr. Reinaldo Cintra Torres de Carvalho – Juiz de Direito Auxiliar da Presidência do Conselho Nacional de Justiça.

O trabalho em rede e as audiências concentradas
Dr. Alexandre Gonzaga Baptista dos Santos - Juiz de Direito da Vara da Infância e Juventude de Jaboticabal e Dr. Paulo Henrique de Oliveira Arantes - Promotor de Justiça da Vara da Infância e Juventude de Jaboticabal.

Acolhimento Familiar: diretrizes e parâmetros
Nina Rosa do Amaral Costa - Mestre em Educação, Doutora em Psicologia e Pós - doutorado em Acolhimento Familiar.

DEBATEDORA: Maria Clotilde Rossetti-Ferreira - Profª. Titular da USP-RP. Coordenadora do CINDEDI e do GIAAA (Grupo de Investigação sobre Acolhimento Familiar, Abrigamento e Adoção).

Lançamento

Dayse César Franco Bernardi - pesquisadora associada e membro da diretoria do Neca, psicóloga judiciária da Coordenadoria da Infância e Juventude do Tribunal de Justiça do estado de São Paulo

Isa Guará - pesquisadora associada do Neca, pedagoga, coordenadora da pós graduação "Adolescente em Conflito com a Lei - Práticas Profissionais" da UNIBAN de SP

Maria Lúcia Gulassa - pesquisadora associada e membro do comitê gestor do Neca, pedagoga, especialista em grupos operativos - Pichón Riviere.

Confraternização – 18:20 horas

 
Abraços,
 
Josiane G.

15 de Maio - Dia Do Assistente Social

Um caloroso abraço a todos os amigos e companheiros "A.S."

Josiane G.

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Exposição Fotos: Parto do Princípio e Despertar do Parto


A Semana Mundial pelo Respeito ao Nascimento - SMRN, é uma Iniciativa da Alliance Francophone pour l’Accouchement Respecté (AFAR), que ocorre em vários países desde 2004 (http://www.smar.info/). Acontecerá neste ano de 2011 na semana de 15 a 22 de maio de 2011.

Para comemorar a SMRN, a Parto do Princípio está preparando uma exposição que ocorrerá simultaneamente em várias cidades, com fotos em preto e branco de mulheres brasileiras no momento do nascimento de seus filhos.

São fotos de mulheres que tiveram seus desejos de parto e nascimento respeitados, transmitindo assim, imagens positivas do parto, na intenção de mostrar que quando a mulher tem a possibilidade de escolher o local de parto, seus acompanhantes e a maneira como quer dar a luz, este processo se torna muito mais positivo e transformador.

Frases escritas pelas mães ilustram cada registro fotográfico, trazendo o expectador ainda mais perto da cena vivida.

O Despertar do Parto apoia e patrocina a vinda desta exposição para Ribeirão Preto - SP e convida a todos:

Exposição de Fotos - Mulheres Brasileiras no Momento do Nascimento de seus Filhos

Em comemoração a Semana Mundial do Respeito ao Nascimento

LOCAL: Novo Shopping Ribeirão Preto - SP
(corredor central, em frente à loja Hi Happy)
QUANDO: De 15 a 22 de MAIO

Ainda em Ribeirão Preto, a exposição seguirá posteriormente para o Teatro Santa Rosa e permanecerá por tempo indeterminado na sede do Despertar do Parto.

Sobre a Parto do Princípio - www.partodoprincipio.com.br

A Parto do Princípio é uma rede de mulheres, consumidoras e usuárias do sistema de saúde brasileiro, que oferece informações sobre gestação, parto e nascimento baseadas em evidências científicas e recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS). Temcomo principais propósitos: promover os benefícios do parto humanizado, do parto ativo, do protagonismo da mulher no parto e lutar contra a banalização da cesárea em várias frentes de ação. Conta com mais de 200 mulheres atuando voluntariamente em 21 estados brasileiros mais o Distrito Federal.

Abraços,

Josiane G.