O Serviço Social é política pública, e o Assistente Social seu efetivador!

É uma profissão de caráter sócio-político, crítico e interventivo, que se utiliza de instrumental científico multidisciplinar das Ciências Humanas e Sociais para análise e intervenção nas diversas refrações da “questão social”, isto é, no conjunto de desigualdades que se originam do antagonismo entre a socialização da produção e a apropriação privada dos frutos do trabalho .Inserido nas mais diversas áreas (saúde, habitação, lazer, assistência, justiça, previdência, educação, etc) com papel de planejar, gerenciar, administrar, executar e assessorar políticas, programas e serviços sociais.



O Assistente Social efetiva sua intervenção nas relações entre os homens no cotidiano da vida social, por meio de uma ação global de cunho sócio-educativo ou socializadora e de prestação de serviços.Está capacitado, sob o ponto de vista teórico, político e técnico, a investigar, formular, gerir, executar, avaliar, e monitorar políticas sociais, programas e projetos nas áreas de saúde, educação, assistência e previdência social, empresas, habitação, etc. Realiza consultorias, assessorias, capacitação, treinamento e gerenciamento de recursos; favorece o acesso da população usuária aos direitos sociais; e trabalha em instituições públicas, privadas, em organizações não governamentais e junto aos movimentos populares.



terça-feira, 23 de junho de 2009

O valor da Filosofia para uma sociedade

Josiane Gomes


A Filosofia está sempre presente quando pensamos, agimos, observamos ou vivemos momentos em nossas vidas, sendo seu principal interesse o homem.
Tendo por muitas vezes sua importância ignorada, a filosofia sofre preconceito quanto a sua utilidade e seu objetivo por outras ciências, pois não é uma ciência exata (como a matemática) ou técnica (como a física, que inventa coisas). Sua idéia é estimular a consciência, o pensamento e alimentar a dúvida no homem, é procurar explicações e sentidos, é duvidar de tudo o que nos rodeia e querer tornar o mundo uma realidade com sentido, levantando uma série de questionamentos sobre novas possibilidades de melhoria, que naturalmente não é do interesse da classe dominante da sociedade.
A filosofia traz ao homem o desejo do conhecimento de si próprio, faz refletir sobre a sua posição no universo, sempre buscando a verdade e almejando um ideal: que tudo possa estar organizado da melhor forma para a felicidade completa das pessoas.
Se o homem começa a pensar filosoficamente (questionando a si e sua realidade), tem que mudar toda a sua vida radicalmente, pois seus conceitos mudarão, entretanto o medo do novo, do desconhecido e o comodismo da vida, acostumados aos problemas sociais e econômicos do dia-a-dia, não o fazem buscar a filosofia.
É conveniente para o homem moderno,que adora o útil e o prático, afastar-se da filosofia, pois, em meio de uma falsa igualdade a qual vivemos, além de corrupta, tem seu domínio nas mãos de poucos que determinam a linha de vida política, econômica e social de muitos, objetivando só e exclusivamente o poder, ficando cegos para o que realmente acontece em seu meio. Assim, cria-se uma tranqüilidade infinita, do pressuposto que o seu amanhã será igual ao seu hoje, só com visões de melhoria socioeconômicas.
Embora desprezada e vítima de preconceito, a filosofia abre a mente das civilizações, não se deixando iludir por uma falsa sensação de confiança e verdade, mostrando ao homem, que lhe é permitido a mudança de comportamento em relação ao meio que vive, serenando, consolando os momentos de crise, para conseguir a plenitude, a paz interior.Ele deixa de viver uma existência medíocre e passa a viver o todo, o completo,um estado pleno de satisfação, que ocasionará um momento de felicidade.
Abraços,
Josiane Gomes