O Serviço Social é política pública, e o Assistente Social seu efetivador!

É uma profissão de caráter sócio-político, crítico e interventivo, que se utiliza de instrumental científico multidisciplinar das Ciências Humanas e Sociais para análise e intervenção nas diversas refrações da “questão social”, isto é, no conjunto de desigualdades que se originam do antagonismo entre a socialização da produção e a apropriação privada dos frutos do trabalho .Inserido nas mais diversas áreas (saúde, habitação, lazer, assistência, justiça, previdência, educação, etc) com papel de planejar, gerenciar, administrar, executar e assessorar políticas, programas e serviços sociais.



O Assistente Social efetiva sua intervenção nas relações entre os homens no cotidiano da vida social, por meio de uma ação global de cunho sócio-educativo ou socializadora e de prestação de serviços.Está capacitado, sob o ponto de vista teórico, político e técnico, a investigar, formular, gerir, executar, avaliar, e monitorar políticas sociais, programas e projetos nas áreas de saúde, educação, assistência e previdência social, empresas, habitação, etc. Realiza consultorias, assessorias, capacitação, treinamento e gerenciamento de recursos; favorece o acesso da população usuária aos direitos sociais; e trabalha em instituições públicas, privadas, em organizações não governamentais e junto aos movimentos populares.



segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

BOAS FESTAS

Salve, salve ... a todas e a todos!!!


2010 foi para mim um ano de grandes desafios, superações. Graças a uma patologia conhecida como Depressão (em 2011discutiremos muito sobre esse e outros assuntos...) tenho a oportunidade de andar por Terras desconhecidas, Mares bravios, o que vem me possibilitando novas experiências, reflexões, mudança de conceitos e conduta perante a vida.

Ainda tenho uma longa jornada a percorrer, mas posso afirmar estou me redescobrindo e tudo isso é fantástico!!!

Por esta razão ao invés de escrever todas aquelas palavras que repetimos todos os anos...resolvi compartilhar um trecho de um livro com vcs...

Regras para SER HUMANO

Quando você nasceu não veio ao mundo com um manual do proprietário!
As dicas seguintes fazem a vida funcionar bem melhor:

· Você vai receber um corpo. Pode amá-lo ou detestá-lo, mas é uma coisa que você possuirá até o fim da sua vida;
· Você vai aprender lições;
· Ao nascermos somos imediatamente inseridos numa escola informal chamada “Vida no Planeta Terra”;
· Todas as pessoas e acontecimentos são “professores universais”;
· Não existem erros, apenas lições. Crescimento é um processo de experimentação, no qual “falhas” são tão parte do processo quanto os “sucessos”;
· Uma lição é repetida até que seja aprendida. Será apresentada a você em várias formas, até que você enfim entenda. Poderá então, passar para a próxima lição;
· Se não aprender as lições fáceis, elas se tornaram difíceis;
· Problemas externos são o preciso reflexo do seu estado interior. Quando você limpa obstruções, seu mundo exterior muda;
· A dor é o jeito do Universo chamar a sua atenção. Você saberá quando aprendeu uma lição, quando suas ações mudarem;
· Sabedoria é uma prática. Um pouco de alguma coisa é melhor do muito de nada;
· “Lá não” é melhor que “aqui”. Quando “lá” se torna “aqui” você vai simplesmente arranjar outro “lá”, que de novo parecerá melhor que “aqui”;
· Os outros são meros espelhos de você. Você não pode amar ou odiar alguma coisa sobre o outro, a menos que reflita algo que você ama ou odeia em você mesmo;
· Sua vida só você decide. A vida da à tela, você faz a pintura. Escolhe as cores e pegue os pincéis;
· Tome para você o comando de sua vida ou alguém o fará;
· Você sempre consegue o que quer. Seu subconsciente determina quais energias, experiências e pessoas você atrai. Assim, o único jeito certeiro de saber o que você quer é ver o que você tem;
· Não existem vítimas apenas estudantes;
· Não existem certo ou errado, mas existem conseqüências...
· Dar lição de moral não ajuda. Julgar também não. Apenas faça o melhor que puder. Suas respostas estão dentro de você;
· Crianças precisam de direção dos outros. Quando amadurecemos, confiamos em nossos corações, onde as Leis Universais estão escritas;
· Você sabe mais do que ouviu ou aprendeu. Tudo que você precisa é olhar, prestar atenção e confiar.

Você vai esquecer tudo isso. Mas pode lembrar sempre que quiser!
(Texto retirado do livro “If life is a game these are the rules” de Cheire Carter Scoth)

Então...
Curtam. Renovem. Retomem. Cultivem. Procurem. Decidam.
Com razão, sem razão. Usem, não abusem. Não destruam. Reponham. Acrescentem. Ofertem. Recebam. Perdoem. Produzam. Disseminem a paz, a concórdia, o amor, o saber, o ser, a saúde, a vida!
Permitam-se e zelem por vocês....
E por favor sejam felizes, muito feliz!!!

Um forte abraço colorido...rs

Josiane Gomes.


sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

UTILIDADE PÚBLICA - SAL NA FONTE


VAGAS ABERTAS PARA CURSO GRATUITO NO SENAC `A JOVENS DE 14 A 21 ANOS


Objetivo: O programa abordará temas como Tecnologia (Informática), Desenvolvimento Humano e Pessoal, Comunicação, Atitude Empreendedora, Sistemas e Processos Organizacionais, Atendimento e Relacionamento com os Clientes e Planejamento e Gestão de Fóruns: social e profissional.

Requisitos: Jovens de 14 a 21 anos, cursando ensino fundamental ou médio, obter renda familiar per capita de 2 salários mínimos e interesse pelas questões relacionadas ao trabalho. Participar de palestra dia 19/01/2011, às 14:00h no Senac.

Duração: 330 horas

Maiores Informações: fone (16 ) 2111-1200

Inscrições: No Senac , na Av. Capitão Salomão, nº 2133- Jd. Mosteiro.

Observação: Neste curso haverá sala para pessoa com deficiência, a partir da idade de 16 anos. Os interessados deverão entrar em contato com a Carla ou Rita ( Pet Trampolim - Senac), no telefone ( 16 ) 2111-1200. Estes não terão que participar da palestra no dia 19/01/2010, não sendo necessário ser alfabetizado, mas terão que passar por uma entrevista agendada até a primeira semana de janeiro.

Atenciosamente: Vereadora Gláucia Berenice.

Josiane G.





segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Selo de Reconhecimento

Caros companheiros,

PRÊMIO DARDOS

Por alguns meses estive ausente do nosso espaço, porém quando retomo à ativa sou surpreendida com este Selo de Reconhecimento "Prêmio Dardos". A emoção  não está em receber um título, mas em saber que neste mundo tem alguém que assim como nós lutam por um futuro mais digno, e vou além valoriza  o nosso trabalho.
Todos juntos somos fortes...(já cantarolava OS SALTIMBANCOS TRAPALHÕES..rsrs)
Este selo pertence a todos que acreditam nesta causa. Sei que ao redor destes planeta existem milhões de pessoas dignas de tal merecimento, porém  passo este selo aos seguintes blogs também, que merecem recebê-lo e ganhar o respeito do BLOG APRENDENDO NA PRÁTICA:

http://adocaotardia.blogspot.com
http://debatefundap.blogspot.com
http://farolpolítico.blogspot.com
http://adocaoposithiva.blogspot.com
http://antropologiavisualaba.blogspot.com
http://assistentesocial.blogspot.com
http://albinocoerente.blogspot.com
http://deficientealerta.blogspot.com
http://criancacolatina.blogspot.com
http://cucadaune.blogspot.com
Procedimento:
1 - Exibir a imagem do selo no blog;
2 - Revelar o link do blog que atribuiu o prêmio;
3 - Transcrever o texto que acompanha o selo (localizado acima, em Itálico, para melhor visualização);
4 - Escolher 10, 15 ou 30 blogues para premiar.

Complementando...
O Prêmio Dardo foi criado pelo escritor espanhol Alberto Zambade que, em 2008, concedeu no seu blog Leyendas de “El Pequeño Dardo” o primeiro Prêmio Dardos a quinze blogs selecionados por ele. Ao divulgar o prêmio, Zambade solicitou aos blogs premiados que também indicassem outros blogs ou sites considerados merecedores do prêmio. Assim a premiação se espalhou pela Internet.
Segundo o seu criador, o Prêmio Dardo destina-se a “reconhecer os valores demonstrados por cada blogger diariamente durante seu empenho na transmissão de valores culturais, éticos, literários, pessoais etc., demonstrando, em suma, a sua criatividade por meio do seu pensamento vivo que permanece inato entre as suas palavras”.
As regras do prêmio estabelecem que os indicados poderão exibir no seu blog/site o selo do prêmio e deverão indicar outros dez, quinze ou vinte blogs ou sites que preencham os requisitos acima para o recebimento do prêmio.

Fonte: http://www.eusouvoluntario.com.br/blog/tag/alberto-zambade/

Bora lá que o tempo não para!
Sorrisos 1.000 pra vcs...

Josiane G.

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Liderança baseada em princípios



Águas turbulentas descreve as condições de complexidades encaradas por líderes diante das inovações tecnológicas, surgimento da conectividade universal, democratização das informações, aumento exponencial da concorrência, a globalização dos mercados, transferência da criação de riquezas do capital financeiro para o capital intelectual e social, liberdade de ação.

 A maneira sintetizada de "influenciar - liderar" dentro desse contexto são: foco e execução, o foco engloba os papéis de modelar e descobrir caminhos e a execução, os de alinhamentos e fortalecimento.               
Qualquer pessoa que lidere ou influencie profundamente outras, nas instituições ou na sociedade, qualquer um que tenha feito a diferença para o bem ou para o mal tem três atributos comuns: visão, disciplina e paixão, eles representam a liderança que funciona: 
           
Visão => é ver um estado futuro com os olhos da mente. A visão se aplica a imaginação, todas as coisas são criadas duas vezes: primeiro, uma criação mental e depois uma criação física. Representa desejo, sonhos, esperanças, objetivo e planos;
Disciplina => é tão importante quanto a visão, é a execução, o fazer acontecer, o sacrifício de fazer o necessário para concretizar a visão;
 Paixão => vem do coração e se manifesta como otimismo, empolgação e determinação. Alimenta um impulso constante. As pessoas entusiastas acreditam que a melhor maneira de prever o futuro é criá-lo, tornar-se parte da solução mais do que parte do problema.

Foco  (modelar e descobrir caminhos)
 A Voz da influência,   ser um modelo envolve encontrar e escolher a atitude de iniciativa, ser um compensador (pequeno dispositivo que movimenta o timão, que altera o rumo da embarcação), ou tomar iniciativas para expandir sua influência em todas as oportunidades ao nosso alcance; a voz da confiabilidade, modelar o caráter e as competências é a base para a confiança em qualquer relação e organização. Não se pode fiar sem confiabilidade; a voz e a velocidade da confiança, modelar também envolve o desenvolvimento de fortes habilidades de relacionamento que geram confiança e combinam vozes – criando terceiras soluções, alternativas para nossos desafios e diferenças com os outros (pensar ganha-ganha).

Execução (Alinhar e fortalecer)
A voz da execução, alinhar objetivos e implementar sistemas em busca de resultados; A voz do fortalecimento (empowerment), liberar paixão e talento tornando claro o caminho que está diante deles e então sair da frente. Então quanto lhes comunicamos seu potencial e criamos oportunidades para que o desenvolvam e o utilizem, estamos trabalhando sobre um alicerce sólido.

" Tudo está em constante mudança e num ritmo muito acelerado, você tem um desafio e então uma resposta equivalente a ele isto resulta em sucesso, mas ai você tem um novo desafio que não pode mais ser encarado com respostas que deram certo elas não funcionam mais é necessário um tipo inteiramente novo de resposta. Qual é o tipo desafio de hoje? É turbulência permanente. É um ambiente em constante agitação e mudança portanto é necessário uma resposta que não mude. Numa analogia de uma equipe de remo num belo lago quieto e plácido, para ilustrar a diferença entre a natureza da liderança requerida hoje e liderança necessária no passado. Numa equipe de remo, normalmente o timoneiro se sente na parte de trás do barco dando as ordens e as pessoas se adaptam e ele faz os ajustes, mas na turbulência de um rafting numa corredeira veloz, pedras e quedas d’água, todos têm que ter algo dentro de si sobre o que estão tentando fazer, quais são os princípios que estão operando, porque se tentar comandá-los eles nem poderão ouvi-lo devido ao barulho, da correnteza (confusão). Eles precisam ter isso dentro deles. Existem apenas 3 constantes: 1 mudança, 2 princípios e 3 escolhas, o poder que temos para nos adaptar as duas primeiras constantes. A maior necessidade que temos nesse mundo em permanente turbulência é de algo que não mude, o núcleo imutável. Se as pessoas estiverem centradas (focadas) em princípios que formem o núcleo imutável, isso lhes dará a capacidade de lidar com as mudanças dinâmicas que as cercam. Este é conceito atual de Liderança Natural: quanto mais você conseguir que as pessoas se comprometam com uma visão, um propósito ou um conjunto de princípios comuns, e elas já os tiverem dentro de si então o trabalho da liderança terá sido feito. E esse é o conceito de liderança baseada em princípios: colocar princípios no coração e na mente das pessoas e depois na cultura delas, permeando e afetando todas as outras relações. Isso é o que tem força e viabilidade permanente, pois dá as pessoas que estão no comando da empresa, aos corações e almas, um senso de direção."  ( Stephen R. Covey)
                                                                                                                             Alcides Betini
                                                                                                                    alcides_betini@yahoo.com.br

Abraços,
Josiane G.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

A necessidade da excelência da gestão no mundo globalizado.

Excelência é um caminho que não conhecemos à distância, mas que sabemos onde fica.



Um dia, Alice chegou a uma encruzilhada do caminho e viu um gato Che Shire numa árvore.
— Qual dos caminhos devo pegar? – perguntou
A resposta do gato foi outra pergunta.
— Aonde você quer ir?
— Não sei – respondeu Alice.
— Então não tem importância – retrucou o gato

Lewis Carroll, Alice no País das Maravilhas

Exigências dos mercados consumidores, desequilíbrios de demanda, globalização, aumento da competitividade, evolução tecnológica, disputa por recursos escassos são alguns dos grandes desafios que nos colocam diante de encruzilhadas para os quais devemos estar preparados e assim saber qual caminho seguir. Este caminho é certamente o da mudança de paradigma: temos que seguir pelo caminho da era do conhecimento, pegar o atalho da globalização, passar pelo foco, para chegarmos então com segurança na gestão colaborativa.

As organizações foram por muito tempo orientadas a trabalharem em um modelo rígido de hierarquias. A era industrial ou a cultura “da cenoura e do chicote”. Numa nova era de constantes mudanças e transformações, onde os estímulos são muito importantes e as pessoas fundamentais, a qual podemos chamar de era do conhecimento, devemos conduzir as organizações ou sua gestão de forma ágil, inteligente, buscando capacitar seus colaboradores. Esta capacitação se dá através de aprendizados contínuos, afim de que adquiram-se habilidades, para atender as demandas da sociedade, e trabalhe-se de maneira proativa, estando na vanguarda dos avanços tecnológicos e do desenvolvimento das telecomunicações. As organizações hoje não podem descuidar de um ambiente acolhedor, para adesão de pessoas e integração da cultura colaborativa. As estratégias da organização devem estar preparadas para colocarem os colaboradores como recursos (ativos) de valores intangíveis.

A globalização nos torna agentes de mudanças, exigindo de nós respostas novas para problemas novos. Um novo perfil de gestão deve ser assim traçado. Um dos principais desafios é alcançar o equilíbrio entre obtenção de resultado e o desenvolvimento da capacidade. A maneira de alinharmos esses princípios é questionar os resultados: Que tipo de resultados esperamos do mercado? Nossos colaboradores estão felizes com o retorno de seus investimentos mentais, físicos e emocionais? Temos algum sentido de responsabilidade social e ambiental? A essência da eficácia é alcançar os resultados desejados de forma que nos permita ampliar mais esses resultados no futuro. Essas e outras estratégias, aliadas ao conhecimento e a visão, realizam uma análise da organização e do mercado, verificando oportunidades e ameaças.

Na gestão colaborativa encontramos vários caminhos a serem percorridos: partilha de experiências – transformação de informações ou experiências isoladas em algo que toda a organização possa utilizar; especializações – o conhecimento representa um dos elementos mais valorizados e cobiçados no mercado; acesso rápido a informação - agentes facilitadores do conhecimento e da tecnologia da informação e programa de comunicação; partilhar informações – aplicação e disseminação de novos conhecimentos, aplicação de ações para melhor desempenho das mesmas; gestão do conhecimento – recursos humanos que fazem o diferencial da organização, ou seja, :
a) Gestão de Competências – (direcionamento, gestão estratégica de pessoas, alinhamento de competências, desenvolvimento de competências – conhecimento – habilidades – atitudes – tratamento de talentos – utilização de tecnologias);
b) Gestão de Capital Intelectual - (ativo intangível, condições – equipamentos – tecnologias – ambiente físico, resultam em novas idéias);
c) Aprendizagem Organizacional – (mudanças – sistemas – adaptações, aprendizagem – direcionamento, percepção, novas rotinas);
d) Inteligência Empresarial – sistematização da informação através da coleta, tratamento e analise com foco no público alvo, nas ameaças e oportunidades resultando em ações proativas);
e) Educação Corporativa - trabalho em equipe, soluções inovadoras e criar sistemas de avaliação de resultados.

Nesse contexto de mundo em constante mudança e globalizado devemos usar seguramente conceitos imutáveis que nos garantirão uma gestão voltada para excelência e baseada em princípios, como os 7 hábitos das pessoas altamente eficazes de Stephen R. Covey, de ser:
a) Ser proativo – Responsabilidade/Iniciativa – Auto determinação;
b) Comece com o objetivo em mente – Visão/Valores – Foco;
c) Primeiro o mais importante – Integridade/Execução – Prioridades e Ação;
d) Pense Ganha-Ganha – Respeito mútuo/Beneficio – Abundância;
e) Procure primeiro compreender para depois ser compreendido – Entendimento mútuo – coragem;
f) Crie Sinergia – Cooperação criativa – Diferenças nos valores;
g) Afine o instrumento – Renovação – Pessoa integral.

Alcides Betini

Abraços,
Josiane G.


quarta-feira, 16 de junho de 2010

A Era do Conhecimento


 
Hoje os fenômenos econômicos e sociais, de alcance mundial, são responsáveis pela reestruturação do ambiente das organizações, sejam elas de fins lucrativos ou não. A globalização, impulsionada pela tecnologia da informação e comunicação, é uma realidade da qual não podemos fugir.

Com relevância mundial, a globalização influencia diretamente o que necessitamos saber, e com isso, a maneira como construímos, produzimos, compartilhamos e distribuímos este conhecimento.

Nesse contexto o conhecimento transforma-se num valioso recurso estratégico para a vida das pessoas e sua gestão tem se tornado um fator condicionante para a sobrevivência das organizações, que além de conhecer os conceitos centrais dessa abordagem, precisam refletir sobre as mudanças provocadas pela ênfase em conhecimento no nível social, organizacional e individual.

Por estas razões, penso ser de suma importância discutir acerca desta temática também, uma vez que os indivíduos destas organizações tornam-se o seu bem mais precioso. Portanto, nas próximas postagens apresentarei alguns artigos de Alcides Betini, Diagramador na área da Educação Infantil, que em seu tempo livre lança um olhar curioso e atencioso sobre a Gestão dos Indivíduos, Conceitos de Trabalho em Equipe e Liderança.

Conhecimento também é uma forma de inserção social!

Abraços,

Josiane Gomes.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Psicologia SOCIAL e Serviço SOCIAL, qual a relação?




O Serviço Social e a Psicologia Social possuem uma relação interdisciplinar, pois dividem seu objeto de estudo com várias áreas do saber, sendo ele, a interação do indivíduo na sociedade. Percebemos, portanto, uma distância considerável entre as duas, porque enquanto a Psicologia destaca o aspecto individual, o Serviço Social se atém à esfera social.

A Psicologia Social com um conceitual mais antigo tem seu desenvolvimento comprometido com os objetivos da sociedade norte-americana do pós-guerra, voltados às fórmulas de ajustamento e adequação de comportamentos individuais ao contexto social, com Kurt Lewin (1890/1947), considerado por muitos o fundador da psicologia social.

Sua metodologia visa organizar e nomear os processos observáveis dos encontros sociais, possuindo pouca noção do SOCIAL, uma vez que lança seu olhar para a interação pessoal:

*Encontros - interação pessoa/pessoa, interação pessoa/grupos sociais, interação grupo/grupo.

*Relações Sociais - influências, conflitos, hierarquias, poder, família (história e cultura).

*Fatores Psicológicos da Vida Social – sistemas motivacionais, status social, liderança, estereótipos, alienação, valores éticos.

* Fatores Sociais da Psicologia Humana – processo de socialização, atitudes, mudanças, motivações, opiniões, ideologia, moral, preconceito, papéis sociais, gênero de vida.

Atualmente desenvolve-se uma Nova Psicologia Social, mais crítica em relação à realidade social e à contribuição da ciência para a transformação da sociedade.

Devemos ter em mente que a PSICOLOGIA SOCIAL pertence a uma área de conhecimento da Psicologia, que procura aprofundar o conhecimento da natureza social do fenômeno psíquico, ou seja, a subjetividade humana – buscando compreender como se dá a construção do mundo interno a partir das relações sociais vividas pelo indivíduo. Nela o mundo objetivo é um fator constitutivo no processo de desenvolvimento da subjetividade.

Sendo assim, o comportamento deixa de ser o objeto de estudo, tornando-se uma das expressões do mundo psíquico, fonte de dados importantes para a compreensão da subjetividade. Com esta nova conceituação da psicologia social o indivíduo é um SER SOCIAL POR NATUREZA, pois aprende a SER nas relações com os outros indivíduos partir do momento em que se apropria da realidade criada pelas gerações anteriores.

Ao considerarmos a questão social em suas múltiplas expressões como objeto de estudo do SERVIÇO SOCIAL, esta corrente da psicologia contribui e muito com a construção do conhecimento teórico- empírico, uma vez que os Assistentes Sociais intervem com os sujeitos sociais nas mais diversas situações do cotidiano.

Abraços,

Josiane Gomes.


quinta-feira, 20 de maio de 2010

Globalização X Cultura = ?




Oriunda das evoluções ocorridas, principalmente nos meios de transportes e comunicações, a globalização surgiu para atender ao capitalismo, mais especificamente os países desenvolvidos, na busca de novos mercados, cujo consumo interno estava saturado.

Esse processo permitiu uma integração em caráter econômico, social, cultural e político entre os diferentes países, encurtando a distância e interligando o mundo.

Respondendo a dinâmica deste processo observamos um novo ciclo, conhecido por muitos como globalização cultural, ou seja, a descoberta por parte das empresas transnacionais de como a produção cultural pode gerar lucro em uma sociedade.

Este novo ciclo super capitalista chegou para comercializar o acesso às experiências culturais pelo ciberespaço. E essa absorção da esfera cultural pela comercial indica uma profunda mudança nas relações humanas.

A atual arquitetura econômica nos revela um novo indivíduo em desenvolvimento – o indivíduo do acesso. Para este, o mundo é muito mais lúdico do que ideológico. Este novo indivíduo sente-se mais a vontade em dirigir negócios, interagir com o outro, e engajar-se em atividades sociais no mundo virtual do que no mundo real. Suas relações sociais são mais intensas, porém não são do tipo face a face.

Neste contexto, uma das preocupações que este ciclo traz é a ausência da experiência socializadora. A socialização dos indivíduos passou igualmente a fazer-se de forma virtual e a distância. A cada dia observamos o aumento significativo de jovens que crescem diante de telas de computadores, educados por uma consciência virtual de que através do acesso tudo é possível, afinal são ambientes simulados.

A socialização fora do ciberespaço é o processo no qual o indivíduo integra-se no ambiente em que nasceu obtendo seus hábitos e valores característicos. Ela é transmissora da cultura, e essa transmissão se dá através da educação, que dentro deste contexto entendo como qualquer forma de aprendizado passado de um indivíduo a outro. Por ela o indivíduo pode desenvolver sua personalidade e ser admitido na sociedade.

Mediante a isso questiono sedenta por respostas: Será que os valores clássicos e tradicionais de uma sociedade deixarão de ter sua importância e a relevância? Será que a socialização dos indivíduos passará a ser feita de forma quase autodidata, e por recursos que têm como objetivo passar mensagem e valores das culturas dominantes e daquelas que podem influenciar a formação da conduta dos indivíduos? Será que estamos prestes a viver realidade muito mais virtual?

Abraços,

Josiane Gomes.

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Atritos...vamos refletir?

ATRITOS
Por Roberto Crema

Ninguém muda ninguém;
ninguém muda sozinho;
nós mudamos nos encontros.

Simples, mas profundo, preciso.
É nos relacionamentos que nos transformamos.
Somos transformados a partir dos encontros,
Desde que estejamos abertos e livres para sermos impactados
pela idéia e sentimento do outro.
Você já viu a diferença que há entre as pedras
que estão na nascente de um rio,
e as pedras que estão em sua foz?

As pedras na nascente são toscas,
pontiagudas, cheias de arestas.
À medida que elas vão sendo carregadas
pelo rio sofrendo a ação da água
e se atritando com as outras pedras,
ao longo de muitos anos,
elas vão sendo polidas, desbastadas.

Assim também agem nossos contatos humanos.
Sem eles, a vida seria monótona, árida.
A observação mais importante é constatar
que não existem sentimentos, bons ou ruins,
sem a existência do outro, sem o seu contato.
Passar pela vida sem se permitir
um relacionamento próximo com o outro,
é não crescer, não evoluir, não se transformar.

É começar e terminar a existência
com uma forma tosca, pontiaguda, amorfa.
Quando olho para trás,
vejo que hoje carrego em meu ser
várias marcas de pessoas
extremamente importantes.

Pessoas que, no contato com elas,
me permitiram ir dando forma ao que sou,
eliminando arestas,
transformando-me em alguém melhor,
mais suave, mais harmônico, mais integrado.
Outras, sem dúvidas,
com suas ações e palavras
me criaram novas arestas,
que precisaram ser desbastadas
Faz parte...

Reveses momentâneos
servem para o crescimento.
A isso chamamos experiência.
Penso que existe algo mais profundo,
ainda nessa análise.
Começamos a jornada da vida
como grandes pedras,
cheia de excessos.

Os seres de grande valor •percebem que ao final da vida,
foram perdendo todos os excessos
que formavam suas arestas,
se aproximando cada vez mais de sua essência,
e ficando cada vez menores, menores, menores...

Quando finalmente aceitamos
que somos pequenos, ínfimos,
dada à compreensão da existência
e importância do outro,
e principalmente da grandeza de Deus,
é que finalmente nos tornamos grandes em valor.

Já viu o tamanho do diamante polido, lapidado?
Sabemos quanto se tira
de excesso para chegar ao seu âmago.

É lá que está o verdadeiro valor...
Pois, Deus fez a cada um de nós
com um âmago bem forte
e muito parecido com o diamante bruto,
constituído de muitos elementos,
mas essencialmente de amor.
Deus deu a cada um de nós essa capacidade,
a de amar...
Mas temos que aprender como.

Para chegarmos a esse âmago,
temos que nos permitir,
através dos relacionamentos,
ir desbastando todos os excessos
que nos impedem de usá-lo,
de fazê-lo brilhar

Por muito tempo em minha vida acreditei
que amar significava evitar sentimentos ruins.
Não entendia que ferir e ser ferido,
ter e provocar raiva,
ignorar e ser ignorado
faz parte da construção do aprendizado do amor.

Não compreendia que se aprende a amar
sentindo todos esses sentimentos contraditórios e...
os superando.
Ora, esses sentimentos simplesmente
não ocorrem se não houver envolvimento...

E envolvimento gera atrito.
Minha palavra final: ATRITE-SE!

Não existe outra forma de descobrir o amor.
E sem ele a vida não tem significado.

Roberto Crema - Psicólogo e Antropólogo do Colégio Internacional dos Terapeutas - CIT, analista transacional didata, criador do enfoque da síntese transacional, consultor em abordagem transdisciplinar holística e ecologia do Ser. Foi o coordenador geral do I Congresso Holístico Internacional (1987) e implementador da Formação Holística de Base, no Brasil (1989). Membro honorário da Associação Luso Brasileira de Transpessoal - ALUBRAT, Fellowship da Findhorn Foundation - Escócia, coordenador do CIT-Brasil, Reitor da Rede Unipaz. Autor de diversos livros.

Abraços,
Josiane Gomes.

quinta-feira, 1 de abril de 2010

Brincar...é preciso aprender!


Nos últimos meses tenho olhado com muita curiosidade a área educacional. Até passei a assinar periódicos do segmento a fim de ampliar meus conhecimentos.

Em uma de minhas leituras, deparei-me com uma entrevista bem interessante com Gilles Brougère, um dos grandes especialistas em brinquedos e jogos na atualidade. Filósofo francês - pesquisa a cultura lúdica da sociedade na qual cada criança esta inserida. Seus estudos revelam que é o contexto social que determina as brincadeiras escolhidas pelas crianças e o modo como essas brincadeiras serão realizadas.

Gilles Brougère indica duas características básicas da brincadeira. A primeira refere-se ao faz de conta, o qual ele chama de segundo grau. Toda brincadeira começa com uma referência de algo que realmente existe. Essa realidade passa por um processo de transformação, ganhando outro significado. A criança pensa: “não estamos de mau, mas fazendo de conta que brigamos”. A segunda característica é a decisão. Como tudo ocorre num universo criado pelas crianças, e todas estão de acordo com sua existência, no momento em que entram em desacordo ele para de existir.

A combinação dessas duas características forma o núcleo essencial da brincadeira. E a essas duas, pode-se acrescentar outros três elementos, que são:
- o conhecimento das regras e outras formas de organização do jogo;
- a ação, pois o brincar é uma ação sem conseqüências ou com conseqüências mínimas (afinal é de brincadeira);
- e a incerteza, uma vez que o brincar oferece possibilidades variadas (não se sabe quem ganhará o jogo).

O filósofo conceitua a relação da brincadeira com a cultura lúdica. Cultura lúdica são todos os elementos da vida e todos os recursos à disposição das crianças que permitem construir o segundo grau. Quando a criança atua no segundo grau, mantém relação com a realidade (primeiro grau), usando aspecto da vida cotidiana para estabelecer uma relação entre a brincadeira e a cultura local num sentido amplo. Depois disso, as crianças desenvolvem essa cultura lúdica que inclui os jeitos de fazer, as regras e os hábitos para a construção da brincadeira.

Como toda cultura se refere ao que é compartilhado, isso permite que uma criança brinque com outras.Porém é preciso entendermos que cada criança, tem um jeito de lidar com as brincadeiras, em função de sua história de vida. Existe uma individualização dessa cultura também, já que nem todos compartilham todos os elementos da cultura lúdica de uma geração. A experiência lúdica não é mesma para todas as crianças, sem contar que os jogos se adaptam ao contexto, os hábitos, aos interesses e ao material disponível.

Brougère esclarece que a brincadeira não é inata, é sempre um resultado de uma construção social, algo que se aprende e se estrutura desde muito cedo, muitas vezes entre mãe e filho. É provável que a criança aprenda “o de brincadeira” brincando. As crianças descobrem muito rápido que no esconde-esconde o desaparecimento não é real. Quando ela consegue fazer o mesmo, aprendeu a brincar. Muitas crianças têm dificuldade para estar no universo do faz de conta, não aprendem isso. Se não aprendem a dizer “é de brincadeira, é faz de conta”, não conseguem jogar. Daí falamos “ela não sabe brincar”.

Depois que passam pelo processo básico de aprenderem a brincar, aprendem os mecanismos, os ritos e as tradições de um espaço para jogar, e em seguida vêm as aprendizagens secundárias: aprender a jogar futebol, videogames entre outros. Porém Brougère ressalta que a criança não precisa entender o brincar, o importante é ela entrar nesse universo de faz de conta e sentir o prazer que ele proporciona. As crianças brincam antes mesmo de entender o que estão fazendo.

No começo, tudo se dá no nível da experiência. Quanto mais a criança adquire vivências, mais é capaz de fazer novas atividades. No jogo elas procuram o equilíbrio para evitar o tédio (se fica chato, não brincam mais) e a ansiedade (se for muito difícil, perdem o interesse). O jogo envolve a busca de equilíbrio. É uma atividade em que há um desafio acessível. Em função da experiência e também das competências, cada criança é capaz de dominar certas situações e, assim, administrar a distancia entre o tédio e ansiedade. A estes aspectos soma-se a dimensão social – os momentos de encontro com as outras crianças ou, às vezes adultos. Um outro elemento que observamos por meio da brincadeira é a criança revelando quem realmente é. O jogo torna-se um indicador, mostrando para si mesmo e aos outros que aquela criança já cresceu.

Finalizando Brougère nos incentiva a enriquecer o brincar dos pequenos através da observação (para enriquecer o conhecimento), da reflexão sobre a qualidade dos espaços destinados às brincadeiras.

Para brincar é preciso aprender. Então vamos ensinar...

Abraços,

Josiane Gomes.

BROUGÈRE, Gilles. Ninguém nasce sabendo brincar. É preciso aprender. Nova Escola: São Paulo, ano XXV, n° 230, p. 32-34-35, mar/2010. Entrevista concedida a Thais Gurgel.

quarta-feira, 31 de março de 2010

As relações entre Behaviorismo e Psicologia Social...

Dentro da multiplicidade existente na Psicologia, encontramos duas correntes - Behaviorismo ou Comportamentalismo e a Psicologia Social - que possuem o mesmo objeto de estudo: o comportamento social humano, porém sobre ângulos diferentes, como poderemos observar a seguir. O termo comportamento é amplamente utilizado dentro do universo das ciências psicológicas e reporta-se aos encontros entre o indivíduo e o ambiente.

O Behaviorismo ou Comportamentalismo está presente em todos os espaços sociais, podendo ser entendida como um processo de aprendizagem, e seu foco é o comportamento observável. Fundamenta-se na idéia de que, o indivíduo através da promoção de seu autoconhecimento possa aumentar a capacidade de agir no mundo da maneira que deseja, descobrindo assim eventos no meio ambiente que determinam os seus comportamentos (problemas), e o que os mantém – a relação entre sentimentos e ações. Esta corrente auxilia o desenvolvimento de habilidades através da atitude.

Procurando conhecer a natureza e as causas dos comportamentos, pensamentos e sentimentos que se revelam nos encontros sociais, a Psicologia Social estuda as relações dos entre os indivíduos e o meio social. As interações entre os indivíduos, entre o indivíduo e os grupos e entre os grupos – a maneira como se comporta, como muda e forma opiniões/atitudes/crenças, o que pensa sobre o outro, a interação com o meio, uma vez que desde o nascimento o indivíduo está marcado pelo processo de integração numa determinada sociedade – submetendo-se a normas, padrões de conduta, forma de pressão social devido à necessidade de ser aceito. Nesta corrente busca-se compreender como se dá a construção do mundo interno a partir das relações sociais vividas pelo indivíduo.

Podemos concluir, conforme observado, que nestas duas correntes o indivíduo é um SER SOCIAL por natureza, pois aprende a SER nas relações nas relações com outros indivíduos, bem quando se apropria da realidade criada pelas gerações anteriores-cultura humana. Aqui considero o indivíduo como SER SOCIAL por sua capacidade de adaptação ao meio e de agir e modificar o ambiente.

Abraços,

Josiane Gomes.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Oscips poderão promover melhoria habitacional -Agência Senado - 25/11/2009 -

Projeto de lei que inclui a promoção da melhoria das condições de moradias de interesse social entre os objetivos que podem ser buscados pelas Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIPs) foi aprovado nesta quarta-feira (25) pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS).
A proposta, de autoria do senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), agora será examinada pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), em decisão terminativa. O autor ressaltou que a proposta (PLS 313/09) pode contribuir para atacar o problema das favelas e de conjuntos habitacionais irregulares no Brasil.

"Se dermos essa possibilidade às cooperativas público-privadas, tenho a impressão de que estaremos, de alguma forma, contribuindo para amenizar a situação de muitos brasileiros que vivem em casebres", disse o autor.

O relator da matéria, senador Paulo Paim (PT-RS), defendeu o modelo de cooperação entre o Estado e a sociedade civil, uma vez que tais acordos, representado pelos termos de parceria, são processos transparentes e efetivos. " O povo carente, que suporta tantas dificuldades, merece viver com dignidade, em condições nas quais sua moradia não se resuma a um teto apenas, mas possa autenticamente ser chamada de lar", ressaltou Paim.
Iara Farias Borges / Agência Senado
(Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Serviço Social e Pipoca...





O cinema cria uma nova maneira de olhar o mundo. Através do filme, podemos adquirir um maior entendimento sobre diferentes realidades, compreendendo as diversas formas que assume a questão social, articulando sua dimensão local e global.
Abaixo algumas preciosidades do Cinema Nacional:

Pixote (1981/Hector Babenco) - Pixote (Fernando Ramos da Silva) foi abandonado por seus pais e rouba para viver nas ruas. Ele já esteve internado em reformatórios e isto só ajudou na sua "educação", pois conviveu com todo o tipo de criminosos e jovens delinqüentes que seguem o mesmo caminho. Ele sobrevive se tornando um pequeno traficante de drogas, cafetão e assassino, mesmo tendo apenas onze anos.
Bicho de Sete Cabeças (2000/Laís Bodanzky) - Seu Wilson (Othon Bastos) e seu filho Neto (Rodrigo Santoro) possuem um relacionamento difícil, com um vazio entre eles aumentando cada vez mais. Seu Wilson despreza o mundo de Neto e este não suporta a presença do pai. A situação entre os dois atinge seu limite e Neto é enviado para um manicômio, onde terá que suportar as agruras de um sistema que lentamente devora suas presas.

Cidade de Deus (2002/Fernando Meirelles) - Buscapé (Alexandre Rodrigues) é um jovem pobre, negro e muito sensível, que cresce em um universo de muita violência. Buscapé vive na Cidade de Deus, favela carioca conhecida por ser um dos locais mais violentos da cidade. Amedrontado com a possibilidade de se tornar um bandido, Buscapé acaba sendo salvo de seu destino por causa de seu talento como fotógrafo, o qual permite que siga carreira na profissão. É através de seu olhar atrás da câmera que Buscapé analisa o dia-a-dia da favela onde vive, onde a violência aparenta ser infinita.

Ônibus 174 *Documentário (2002/José Padilha) - Uma investigação cuidadosa, baseada em imagens de arquivo, entrevistas e documentos oficiais, sobre o seqüestro de um ônibus em plena zona sul do Rio de Janeiro. O incidente, que aconteceu em 12 de junho de 2000, foi filmado e transmitido ao vivo por quatro horas, paralisando o país. No filme a história do seqüestro é contada paralelamente à história de vida do seqüestrador, intercalando imagens da ocorrência policial feitas pela televisão. É revelado como um típico menino de rua carioca transforma-se em bandido e as duas narrativas dialogam, formando um discurso que transcende a ambas e mostrando ao espectador porque o Brasil é um país é tão violento.

Carandiru (2003/Hector Babenco) - Um médico (Luiz Carlos Vasconcelos) se oferece para realizar um trabalho de prevenção a AIDS no maior presídio da América Latina, o Carandiru. Lá ele convive com a realidade atrás das grades, que inclui violência, superlotação das celas e instalações precárias. Porém, apesar de todos os problemas, o médico logo percebe que os prisioneiros não são figuras demoníacas, existindo dentro da prisão solidariedade, organização e uma grande vontade de viver.
Quanto vale ou é por quilo? (2005/Sérgio Bianchi) - Uma analogia entre o antigo comércio de escravos e a atual exploração da miséria pelo marketing social, que forma uma solidariedade de fachada. No século XVII um capitão-do-mato captura uma escrava fugitiva, que está grávida. Após entregá-la ao seu dono e receber sua recompensa, a escrava aborta o filho que espera. Nos dias atuais uma ONG implanta o projeto Informática na Periferia em uma comunidade carente. Arminda, que trabalha no projeto, descobre que os computadores comprados foram superfaturados e, por causa disto, precisa agora ser eliminada. Candinho, um jovem desempregado cuja esposa está grávida, torna-se matador de aluguel para conseguir dinheiro para sobreviver.
O ano em que meus pais saíram de férias (2006/Cao Hamburgo) - 1970. Mauro (Michel Joelsas) é um garoto mineiro de 12 anos, que adora futebol e jogo de botão. Um dia sua vida muda completamente, já que seus pais saem de férias de forma inesperada e sem motivo aparente para ele. Na verdade os pais de Mauro foram obrigados a fugir por serem de esquerda e serem perseguidos pela ditadura, tendo que deixá-lo com o avô paterno (Paulo Autran). Porém o avô enfrenta problemas, o que faz com que Mauro tenha que ficar com Shlomo (Germano Haiut), um velho judeu solitário que é seu vizinho. Enquanto aguarda um telefonema dos pais, Mauro precisa lidar com sua nova realidade, que tem momentos de tristeza pela situação em que vive e também de alegria, ao acompanhar o desempenho da seleção brasileira na Copa do Mundo.

Estamira *Documentário (2006/Sérgio Rezende) - Estamira é uma mulher de 63 anos que sofre de distúrbios mentais. Ela vive e trabalha há 20 anos no Aterro Sanitário de Jardim Gramacho, um local que recebe diariamente mais de 8 mil toneladas de lixo da cidade do Rio de Janeiro. Com um discurso filosófico e poético, Estamira analisa questões de interesse global.

Última parada 174 (2008/Bruno Barreto) - Rio de Janeiro, 1983. Marisa (Cris Vianna) amamenta o pequeno Alessandro (Marcello Melo Jr.), em sua casa na favela. Viciada em drogas, assiste impotente seu filho ser retirado de suas mãos pelo chefe do tráfico local, devido à uma dívida não paga. Dez anos depois Sandro (Michel Gomes), filho único, vê sua mãe ser morta por dois ladrões. Apesar de ficar sob os cuidados da tia, ele decide fugir e passa a conviver com um grupo de garotos que dorme na igreja da Candelária, onde tem acesso ao mundo das drogas. Apesar de não saber ler ou escrever, Sandro sonha em ser um famoso compositor de rap. Para tanto ele espera a ajuda de Walquíria (Anna Cotrim), que realiza um trabalho voluntário junto a meninos de rua. Só que Sandro testemunha mais uma tragédia, a chacina da Candelária, onde 8 meninos de rua foram mortos pela polícia. Este evento aproxima Sandro e Alessandro, que passam a ter um forte convívio.

Meu nome não é Johnny (2008/Mauro Lima) - João Guilherme Estrella (Selton Mello) nasceu em uma família de classe média do Rio de Janeiro. Filho de um diretor do extinto Banco Nacional, ele cresceu no Jardim Botânico e freqüentou os melhores colégios, tendo amigos entre as famílias mais influentes da cidade. Carismático e popular, João viveu intensamente os anos 80 e 90. Neste período ele conheceu o universo das drogas, mesmo sem jamais pisar numa favela. Logo tornou-se o maior vendedor de drogas do Rio de Janeiro, sendo preso em 1995. A partir de então passou a freqüentar o cotidiano do sistema carcerário brasileiro.

Verônica (2009/Maurício Farias) - Verônica (Andréa Beltrão) é uma professora da rede municipal d Rio de Janeiro. Em seu trabalho ela precisa enfrentar assaltos, tráfico de drogas, roubo de equipamento escolar e homicídios. Após trabalhar na função por 20 anos, ela está esgotada e sem paciência. Um dia, ao sair do colégio em que trabalha, ela nota que ninguém veio buscar Leandro (Matheus de Sá), de 8 anos. Verônica decide levá-lo até sua casa, na favela, mas ao chegar descobre que traficantes mataram os pais de Leandro e agora estão atrás dele. Ela decide levá-lo consigo, buscando ajuda para escondê-lo.

Salve Geral (2009/Sérgio Rezende) - Lúcia (Andréia Beltrão) é uma viúva de classe média que sonha em tirar o filho Rafael (Lee Thalor), de 18 anos, da prisão. Em suas frequentes visitas à penitenciária ela conhece Ruiva (Denise Weinberg), advogada do Professor (Bruno Perillo), líder do Comando. As duas ficam amigas e logo Lúcia é usada em missões ligadas à organização criminosa. Precisando do dinheiro, ela aceita realizar as tarefas. Paralelamente o Comando passa por uma luta interna pelo poder, ampliada pelo confronto dos prisioneiros com o sistema carcerário. Quando o governo decide transferir, de uma só vez, centenas de presos para penitenciárias de segurança máxima no interior do estado, o Comando envia a ordem para que seus integrantes realizem uma série de ataques em pleno Dia das Mães, deixando a cidade de São Paulo sitiada.

O Contador de História (2009/Luiz Villaça) - Aos 6 anos de idade, Roberto Carlos Ramos é deixado em uma entidade assistencial por sua mãe, que tem a esperança de estar lhe proporcionando melhores condições de vida. Aos 13, porém, Roberto continua analfabeto, tem mais de 100 fugas e várias infrações no currículo e é considerado "irrecuperável". Mas o encontro com uma pedagoga mudará para sempre sua vida.

Sinopses: http://www.adorocinema.com.br/
Tenham uma ótima sessão pipoca!
Josiane Gomes.

Eventos 2010!!!

Próximos eventos referentes ao Serviço Social:

• Fórum Social Estados Unidos - 22 a 26 de Junho de 2010
Local: Detroit (Estados Unidos)
Data: 22/06/10
Tipo de Evento: Fórum
Entidade Promotora: FSEUA
Inscrições: http://www.ussf2010.org
Custo: Não informado
Maiores Informações:
http://www.forumsocialmundial.org.br/noticias_01.php?cd_news=2609&cd_language=1

Observações: O Fórum Social Estados Unidos acontecerá de 22 a 26 de Junho de 2010 no centro de Detroit. Workshops, seminários, atividades culturais e artísticas da comunidade irão acontecer por toda a cidade. O evento convoca movimentos sociais dos Estados Unidos e de todo o mundo à participação. Os organizadores estão buscando atrair jovens, afro-americanos, sindicalistas, desempregados e trabalhos não-organizados, dependentes de seguro social, veteranos, pessoas com deficiências, povos indígenas, ativistas dos direitos humanos e muitos outros. O evento vem sendo construído desde o primeiro encontro do FSEUA, em Atlanta, em 2007, que atraiu cerca de 15 mil ativistas. Desta vez, os organizadores esperam reunir de 15 a 20 mil ativistas. Os comitês e grupos de trabalho já estão se encontrando em Detroit e ao redor do país para se prepararem para o fórum no próximo ano. Os objetivos do evento são criar um espaço aberto para um processo de convergência e coordenação dos movimentos, conscientizar sobre questões ligadas à justiça social, oferecer oportunidades para compartilhar experiências e discutir estratégias para enfrentar desafios e criar soluções sociais aos problemas enfrentados por pessoas de diversas regiões e diferentes áreas. “Detroit é o marco-zero da crise econômica enfrentada por milhões de pessoas, não apenas aqui em Michigan, mas em toda a nação” diz Maureen Taylor, membro da organização do FSEUA e membro da Organização dos Direitos do Bem-estar Social de Michigan (Michigan Welfare Rights Organization - MWRO). “Nós estamos muito felizes em receber esse evento histórico e estamos seguros que o que vai acontecer em Detroit terá um impacto grande não apenas aqui mas em outros lugares”. “Esta é uma oportunidade única de aprendermos com as experiências uns dos outros, de dar visibilidade às injustiças sociais e criar mudanças reais a partir de esforços conjuntos”, afirmou William Copeland, que faz parte da organização do FSEUA e é membro do Conselho de Ação Ambiental do Leste de Michigan (East Michigan Environmental Action Council – EMEAC). O FSEUA Detroit 2010 também irá marcar o aniversário de 10 anos do processo do Fórum Social Mundial. Para entrar em contato com o Comitê Local de Detroit:
Telefone: (+1) 877-515-USSF E-mail: DetroitInfo@USSF2010.org

• XIII Congresso Brasileiro de Assistentes Sociais
Local: Brasília - DF
Data: 31/07/10
Tipo de Evento: Congresso
Entidade Promotora: CFESS, ABEPSS, ENESSO e cressdf
Inscrições: A divulgar
Custo: A divulgar
Maiores Informações: www.cfess.org.br

Observações: De 31 de julho a 05 de agosto de 2010. Tema: “Lutas sociais e exercício pro- issional no contexto da crise do capital: mediações e a consolidação do projeto ético-político do Serviço Social”. Haverá sessões temáticas para apresentação de trabalhos nas formas oral e pôster, que serão divulgadas posteriormente, sendo que o prazo para envio de trabalhos/comunicações científicas será de 12 de outubro de 2009 a 31 de janeiro de 2010.

V Congreso Internacional y VIII Congreso Nacional de Trabajo Social
Tipo de evento:
Congresso
Data: 29/09/2010
Local: , /AC
País: Costa Rica
Descrição: O Congresso terá como tema central Trabajo Social: Cuestión Social - Política Social en Tiempos de Crisis del Capital Financiero y las Transformaciones Societarias. Serão 4 eixos temáticos:(1)Trabajo Social inserto en las transformaciones societarias,(2)El trabajo profesional, la formación profesional (grado, postgrado) y la educación continua: características y desafíos ético-políticos, teórico-metodológicos y técnicos-operativos;(3) La producción de conocimiento e (4) La articulación gremial: las expresiones organizativas hacia dentro de la categoría profesional, con las escuelas y carreras de Trabajo Social y con otras organizaciones sociales.
Maiores Informações: www.trabajosocial.or.cr/congresoinfo.html

• I Conferência Mundial sobre o Desenvolvimento de Sistemas Universais de Seguridade Social
Local: Brasília - DF
Data: 01/12/10
Tipo de Evento: Conferência
Entidade Promotora: Governo do Brasil
Inscrições: http://conselho.saude.gov.br/confmundial.html
Custo: gratuito
Maiores Informações: http://conselho.saude.gov.br/confmundial.html

Observações: A Conferência Mundial contará com 1300 participantes entre delegados, convidados e observadores, procedentes de diferentes países dos cinco continentes, representando governos e sociedade civil.
Aproveitem,
Josiane Gomes.

Voltando a escrever


Após quase 4 meses de ausência, volto a escrever.
Levarei certo tempo para atualizar o blog, até que tudo entre nos eixos, as idéias se encaixem e eu possa me dedicar por completo a esse espaço, onde podemos refletir sobre as dúvidas e certezas contemporâneas, publicar eventos, bem como divulgar e compartilhar idéias com todas as pessoas interessadas em uma efetiva mudança social.
Conto com a ajuda de vocês para melhorarmos o nosso espaço!

Um caloroso abraço,

Josiane Gomes.